Ministro dos Negócios Estrangeiros representa STP no 74º Conselho Executivo do Programa do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados

© Image Copyrights TVS
Font size:
Print

O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades reafirmou em Genebra o total interesse de STP para que a efectiva solidariedade internacional seja sensível a causa dos apátridas, dos refugiados e dos deslocados internos. Gareth Guadalupe discursava no 74º Conselho Executivo do Programa do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados.
O septuagésimo quarto Conselho Executivo do Programa do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados que arrancou os seus trabalhos esta segunda-feira em Genebra, STP está representado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades.
Gareth Guadalupe no seu discurso lamentou que apesar do fim da segunda guerra mundial, ainda persistem conflitos que têm agravado a situação dos desfavorecidos, os refugiados e  deslocados internos. O chefe da diplomacia são-tomense, destacou o papel de STP na sub-região africana na questão de segurança. “A Républica Democrática de São Tomé e Príncipe assumiu em Maio passado a Presidência rotativa do Comité Consultivo Permanente das Nações Unidas para Questões de Segurança na África Central, UNSAC, e no que a temática de refugiados diz respeito, assumiu o compromisso no sentido de contribuir para a promoção do reconhecimento da condição jurídica internacional dos apátridas. Defendemos a elaboração de uma estratégia regional que reflita as reais condições dos refugiados e que nos permita galgar caminhos rumo ao desenvolvimento comunitário”, disse, Gareth Guadalupe.
O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades que discursava na abertura da conferência do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, realçou a dinâmica do Estado São-Tomense nas ratificações das convenções internacionais: “É desta forma que o Governo que tenho a honra de representar, saído das urnas há sensivelmente um ano, encetou expedientes internacionais, através dos Escritórios do ACNUR em Yaoundé, a União Africana e a Comunidade Económica dos Estados da África Central com vista a ratificação das convenções e tratados que concorrem para esse fim, nomeadamente, A Convenção da Organização de Unidade Africana que rege aspetos específicos de problema de refugiados em África; A Convenção da União Africana sobre a proteção e assistência as pessoas deslocadas internamente em África; a Convenção para a Redução de casos de Apátridas; e a Convenção sobre o Estatuto dos Apátridas, facto este que nos permitiu anuir a 8 de setembro na sede de Venerando Conselho de Ministros”, destacou o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades. Depois do discurso de Gareth Guadalupe, o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, elogiou o governo são-tomense e usou da palavra para afirmar que São Tomé e Príncipe bateu recorde na aprovação e submissão para ratificação, não apenas de uma, mas, sim de quatro convenções.
 

Comentário